ISOLAMENTO DE STAPHYLOCOCCUS SPP. EM PARADAS DE ÔNIBUS NA CIDADE DE SALVADOR, BAHIA

Carolina do Rosário Esteves Guimarães, João Henrique Moreira Pinho

Resumo


O gênero Staphylococcus coloniza diversos sítios no organismo humano incluindo a superfície da pele. Pelo contato principalmente por meio das mãos, esses microrganismos são dispersos em várias superfícies, como as paradas de ônibus, tornando-os possíveis reservatórios importantes desses microrganismos. Devido à importância clínica do gênero Staphylococcus spp., principalmente da espécie S. aureus, o objetivo do presente estudo foi identificar a presença de Staphylococcus aureus e Staphylococcuscoagulase negativa (SCN) em paradas de ônibus da cidade de Salvador, Bahia, comparando locais próximos e afastados de hospitais, bem como os perfis de isolamento nos pontos de coleta.Oito paradas próximas e oito paradas afastadas de hospitais foram escolhidas aleatoriamente, sendo coletados três pontos por parada ( barras laterais de apoio, bancos e vidros). As amostras coletadas foram semeadas em placa de ágar Muller Hinton e as colônias selecionadas e identificadas. Das 88 amostras semeadas, 57 (64,8%) apresentaram isolamento de Staphylococcus spp., havendo uma distribuição semelhante de isolamento de S. aureus e de SCN.Nas paradas próximas aos hospitais, foi observado uma maior quantidade de isolados de Staphylococcus spp., inclusive de S. aureus, quando comparado com as paradas afastadas, sugerindo o transporte de isolados do âmbito hospitalar para a comunidade. Além disso, os locais de maior contato com os usuários (barras de apoio laterais e bancos) apresentaram maior número de isolados em comparação com os vidros, reafirmando o papel das mãos como o veículo principal de carreamento desses microrganismos. Diante disso, sendo inviável a redução desses microrganismos nas paradas de ônibus, através da higienização frequente das mesmas pelos órgãos públicos, é gerado um alerta a população de Salvador, Bahia sobre a necessidade da higienizaçãodas mãos.


Palavras-chave


Staphylococcusaureus. Staphylococcus negativacoagulase. Paradas de ônibus. Linhashospitalares.

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, D. et al. Resistência induzível à clindamicina entre isolados clínicos de Staphylococcus aureus. O Mundo da Saúde, p. 401-405, 2009.

AMORIM, A. et al. Condições higiênico-sanitárias, tipos bacterianos e teste de susceptibilidade antimicrobiana em transporte público de uma cidade do Alto Paranaíba/MG-Brasil. Psicologia e Saúde em Debate, p. 69-71, 2017.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. 2008. Disponível em:

http://www.anvisa.gov.br/servicosaude/controle/rede_rm/cursos/boas_praticas/modulo4/imp_sta3.htm. Acesso em: 15 set. 2018.

COMERT, F. et al. First isolation of vancomycin-resistant enteroccoci and spread of a single clone in a university hospital in northwestern Turkey. European Journal of Clinical Microbiology e Infectious Diseases, p. 57-61, 2007.

CORDEIRO, P. et al. Análise microbiológica de assentos e alça de teto em transportes coletivos da cidade Juazeiro do Norte, Ceará. Revista Interfaces Saúde, Humanas e Tecnologia, p. 69-74, 2017.

DUARTE, F. et al. Disseminated Clonal Complex 5 (CC5) methicillin-resistant Staphylococcus aureus SCCmectype II in a tertiary hospital of Southern Brazil. Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, p. 1-2, 2018.

FERNANDES, S. et al. Novel Chimerical Endolysins with Broad Antimicrobial Activity Against Methicillin-Resistant Staphylococcus aureus. Microbial Drug Resistance, p. 333-343, 2012.

FERREIRA, A.; ÁVILA, S. Diagnóstico laboratorial: avaliação de métodos de diagnósticos das principais doenças infecciosas e parasitárias e auto-imunes. 2.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001.

FERREIRA, S. et al. Análise microbiológica de cédulas circulantes em feira livre do município de Belford Roxo, RJ. Revista saúde física e mental, p. 11-14, 2012.

FEITOZA, J.; AREDES, A. Mobilidade urbana e acessibilidade aos serviços de saúde pelo uso do transporte coletivo urbano no município de Campo Grande (MS): O caso do Hospital Universitário. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, p.1-22, 2014.

FINAN, J. et al. Role of Penicillin-Binding Protein 4 in Expression of Vancomycin Resistance among Clinical Isolates of Oxacillin-Resistant Staphylococcus aureus. Antimicrobial Agents And Chemotherap, p. 3070-3075, 2001.

FREITAS, J. et al. Higienização de mãos como medida preventiva de infecções: considerações sobre a interação mediador-mediado. Revista Raízes e Rumos, p. 101-108, 2017.

FRITZ, S. et al. Staphylococcus aureus Contamination of Environmental Surfaces in Households with Children Infected with Methicillin-Resistant S. aureus. National Institutes OF Health, p. 2-8, 2014.

GELATTI, L. et al. Sepse por Staphylococcus aureus resistente à meticilina adquirida na comunidade no sul do Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, p. 458-459, 2009.

GOMES, N.; FERREIRA, L.; LEMBO, T. Análise da contaminação bacteriológica do setor de parada de ônibus municipais do terminal rodoviário de uma cidade do interior do Estado de São Paulo. Revista do Instituto de Ciências da Saúde, p. 140-143, 2016.

LEVINSON, W. Microbiologia médica e imunologia. 13. ed. Porto Alegre: AMGH, 2016.

MASSAIA, I. et al. Endocardite estafilocócica com infecção de sistema nervoso central: relato de caso. Arquivos Médicos dos Hospitais e da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, p. 158-162, 2014.

MENEGOTTO, F.; PICOLI, S. Staphylococcus aureus oxacilina resistente (MRSA): incidência de cepas adquiridas na comunidade (CA-MRSA) e importância da pesquisa e descolonização em hospital. Revista Brasileira de Análises Clínicas, p. 147-150, 2007.

MURRAY, P; ROSENTHAL, K.; PFALLER, M. Microbiologia Médica. 6.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

NEVES, L. Prevalência, perfil de susceptibilidade e caracterização molecular de Staphylococcus aureus isolados de uma linha de ônibus do sistema de transporte público coletivo do município de Goiânia-GO. 2016. 120f. Dissertação (Mestrado em Biologia) - Universidade Federal de Goiás, p. 1-78, 2016.

OLIVEIRA, C. et al. Coagulase-negative staphylococci in Southern Brazil: looking toward its high diversity. Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, p. 292-299, 2016.

OPPERMANN, C.; PIRES, L. Manual de Biossegurança para Serviços de Saúde. Porto Alegre. Brasil. 2003.

PRESCOTT, L.; HARLEY, J.; KLEIN, D. Microbiology. 6.ed. New York: McGraw Hill, 2005.

RENNER, J.; CARVALHO, É. Microrganismos isolados de superfícies da UTI adulta em um hospital do Vale do Rio Pardo – RS. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção, p. 01-05, 2013.

ROSADO, A.; SILVA, F. A. avaliação da eficácia de antissépticos nas mãos dos profissionais de saúde. Revista Saúde Em Foco, p. 01-19, 2016.

SABER, H. et al. A Review of Staphylococcal Cassete Chromosomemec (SCCmec) Types in Coagulase-Negative Staphylococci (CoNS) Species. The Malaysian Journal of Medical Sciences, p. 7-13, 2017.

SHORE, C.; COLEMAN, C. Staphylococcal Cassette Chromosome mec: Recent Advances and New Insights. International Journal of Medical Microbiology, p. 350-359, 2013.

SIGNORI, D. et al. Relato de caso: Impetigo em crianças em idade escolar em uma escola pública da cidade de Santo Ângelo – RS. Revista Saúde Integrada, p. 66-71, 2016.

SOUZA, C.; FEILSTRECKER, S.; HUBNER, I. Síndrome da pele escaldada: relato de caso. Boletim Científico de Pediatria, p. 109-111, 2015.

SOUSA, L. et al. Avaliação de metodologias para a detecção de cepas de Staphylococcus aureus resistentes à meticilina (MRSA) e análise do perfil de sensibilidade frente aos antimicrobianos em um hospital terciário. Saúde (Santa Maria), p. 23-30, 2011.

STEVEN, Y. et al. Staphylococcus aureus Infections: Epidemiology, Pathophysiology, Clinical Manifestations, and Management. Clinical Microbiology Reviews, p. 603-661, 2015.

STROMMENGER, B.; LAYER, F.; WERNER, G. Staphylococcus aureus and Methicillin-Resistant Staphylococcus aureus in Workers in the Food Industry. Staphylococcus aureus, p. 163–188, 2018.

TAVARES, W. Bactérias Gram-positivas problemas: resistência do estafilococo, do enterococo e do pneumococo aos antimicrobianos. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, p. 281-293, 2000.

TODAR, K. Todar's Online Text book of Bacteriology. 2009. Disponível em:

http://textbookofbacteriology.net/kt_toc.html. Acesso em: 1 nov. 2018.

WINN, W. et al. Koneman, diagnóstico microbiológico: texto e atlas colorido. 6.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.

WYBO, I. et al. Outbreak of multidrug-resistant Acinetobacter baumannii in a Belgian university hospital after transfer patients from Greece. Journal of Hospital Infection, p. 374-380, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1677-1591 (versão impressa) e ISSN 1677-5716 (versão on-line).