SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA CONSULTA GINECOLÓGICA NO MUNICIPIO DE REDENÇÃO – CEARÁ

Karyna Lima Costa Pereira, Rithianne Frota Carneiro, Verydianna Frota Carneiro, Áurea Gabriele Santos da Silva, Francisco Ricael Alexandre, Thatiana Pereira Régio de Araújo

Resumo


Objetivo: Identificar a utilização da Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE) durante a consulta ginecológica na atenção primária à saúde. Métodos: Estudo descritivo, exploratório de abordagem qualitativa, realizado no município de Redenção- Ceará, em 2018, com oito enfermeiros atuantes na atenção primária realizando consulta ginecológica. A coleta de dados ocorreu por meio de questionário semiestruturado, no qual constavam dados profissionais, como tempo de formação, especializações e o conhecimento sobre a SAE e sua importância durante a consulta ginecológica. Para a análise dos questionários, utilizou-se do conteúdo do tipo temática, sendo transcritos na íntegra para análise dos dados. Resultados: Dos oito enfermeiros participantes, 87,5% eram do sexo feminino e 12,5% do sexo masculino, o predomínio do sexo feminino na avaliação, mostrou que a feminilização na profissão é recorrente. Embora a SAE seja uma atividade privativa do enfermeiro, é uma tecnologia que ainda não alcançou totalmente a vigência nos três níveis da atenção e para que a mesma seja executada no serviço de saúde é necessário que a equipe de enfermagem compreenda sua importância e aplicação no processo do cuidado, fazendo que este seja completo e de qualidade. Conclusão: Pode-se observar o conhecimento prévio dos profissionais de enfermagem acerca da SAE e sua importância durante a qualificação da consulta ginecológica, no entanto apresentaram limitações para usá-la. Assim, é de suma importância que os profissionais estejam à disposição em mudar essa realidade, transformando os obstáculos em resolução.


Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde. Processo de Enfermagem. Saúde da Mulher.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, A. de C. A enfermagem não é mais uma profissão submissa. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 60, n. 1, p. 96 – 98, Jan./Feb. 2007.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Portugal: 70th ed. Lisboa, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Área Técnica de Saúde da Mulher: Síntese das Diretrizes para a Política de Atenção Integral à Saúde da Mulher – 2004 a 2007 - Resumo das atividades realizadas em 2003. Brasília – DF, 2003. (2003). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/area_saude_mulher_resumo_atividades_2003.pdf. Acesso em: 28 jun. 2018.

BRASIL. Conselho Federal de Enfermagem - COFEN. Resolução COFEN 358/2009. 2009. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-3582009_4384.html. Acesso em: 28 jun. 2018.

BRUM, J. L. R.; GABATZ, R. I. B.; ALMEIDA, A. S. Implantação da qualidade na atenção em saúde: o papel do enfermeiro. Anais da 2ª Jornada Internacional de Enfermagem, Santa Maria – RS, de 29 a 31 de maio de 2012. Santa Maria – RS, 2012.

COSTA, A. S.; DIAS, R. B.F.; CERQUEIRA, J. C.de O.; PEIXOTO, R. de C. B. de O. O processo de enfermagem na atenção básica de um município de alagoas, Brasil. Revista de Enfermagem e Atenção à Saúde, v. 7, n. 1, p. 143-151, 2018.

COTTA, R. M. M.; SCHOTT, M.; AZEREDO, C. M.; FRANCESCHINI, S. de C. C.; PRIORE, S. E.; DIAS, G. Organização do trabalho e perfil dos profissionais do Programa Saúde da Família: um desafio na reestruturação da atenção básica em saúde. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 15, n. 3, p. 7-18, 2006.

GUARDA, F. R. B. da; SILVA, R. N. da; TAVARES, R. A. W. Perfil sociodemográfico dos médicos que compõem equipes de saúde da família na Região Metropolitana do Recife, Estado de Pernambuco, Brasil. Revista Pan-Amazônica de Saúde, v. 3, n. 2, p. 17-24, 2012.

MENDES, C. R. A. Atenção à Saúde da Mulher na Atenção Básica: Potencialidades e Limites. Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde, v. 20, n. 2, p. 65-72, 2016.

MENEZES, S. R. T.; PRIE, M. R.; PEREIRA, L. L. Autonomia e vulnerabilidade do enfermeiro na prática da Sistematização da Assistência de Enfermagem. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 45, n. 4, p. 953-958, 2011.

NICOLAU, A. I. O.; AQUINO, P. de S.; FALCÃO JÚNIOR, J. S. P.; PINHEIRO, A. K. B. Construção de instrumento para a consulta de enfermagem em ginecologia com prostitutas. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, v. 9, n. 4, p. 91-98, 2008.

SANTOS, M. das G. P. de S.; MEDEIROS, M. M. R. de; GOMES, F. Q. de C.; ENDERS, B. C. Percepção de enfermeiros sobre o processo de enfermagem: uma integração de estudos qualitativos. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, v. 13, n. 3, p. 712-723, 2012.

SILVA, E. G. C.; OLIVEIRA, V. C. de; NEVES, G. B. C.; GUIMARÃES, T. M. R. O conhecimento do enfermeiro sobre a Sistematizção da Assistência de Enfermagem:da teoria à prática. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 45, n. 6, p. 1380-1386, 2011.

SOUZA, E. C. F. de; VILAR, R. L. A. de, ROCHA, N. de S. P. D.; UCHOA, A. da C.; ROCHA, P. de M. Acesso e acolhimento na atenção básica: uma análise da percepção dos usuários e profissionais de saúde. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, sup. 1, p. S100-S110, 2008.

TANNURE, M. C,; GONÇALVES, A. M. P. SAE: sistematização da assistência de enfermagem: guia prático. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1677-1591 (versão impressa) e ISSN 1677-5716 (versão on-line).