TREINAMENTO MUSCULAR RESPIRATÓRIO EM INDIVÍDUOS COM TRAUMA RAQUIMEDULAR: REVISAO INTEGRATIVA

Joanne Figueiredo Rizério, Mônica Lajana Oliveira de Almeida

Resumo


Introdução: O trauma raquimedular (TRM) é uma lesão que compromete a medula espinhal e a depender do nível, sua extensão e o tempo de injuria, os sintomas irão se diversificar. A mortalidade e a expectativa de vida estão relacionadas com a gravidade da lesão, funções vitais, morbidade, envelhecimento e incapacidade. Além disso, o risco de mortalidade é maior nos primeiros 6 meses a 1 ano após o trauma o que ocasiona um prejuízo no que diz respeito ao controle da musculatura abdominal, dos músculos intercostais e em alguns casos perda parcial ou total da função. Com isso, numa lesão medular rotineiramente acontece acometimento dos músculos respiratórios, por isso há uma necessidade de um treino muscular respiratório, suas vantagens envolvem na melhora da força, resistência e da função pulmonar. Objetivo: Reunir e avaliar as evidencias existentes sobre o uso do treinamento muscular respiratório na musculatura respiratória em indivíduos com trauma raquimedular. Metodologia: Trata-se de uma revisão integrativa que busca contribuir para a prática clínica baseada em evidencias; foram utilizadas como bases de dados eletrônica, PUBMED, EBSCO, PEDro, SCIELO e COCHRANE, e a avaliação da qualidade dos artigos selecionados foi feita através da plataforma PEDro. Resultados: Um total de cinco artigos foram incluídos na presente revisão sendo a média do número de participantes 30, a média de idade foi de 36 anos e o gênero predominante encontrado foi o masculino, a média do valor obtido através da avaliação pela escala PEDro foi de 5,2. Considerações finais: Os resultados apresentados nos artigos incluídos nessa revisão sugerem que o treinamento muscular respiratório tem poucos efeitos sobre a musculatura respiratória de indivíduos com trauma raquimedular.


Palavras-chave


Trauma raquimedular. Musculatura respiratória. Treinamento muscular respiratório.

Texto completo:

PDF

Referências


BELLUCI, C.H.S. et al. Contemporary Trends in the Epidemiology of Traumatic Spinal Cord Injury: Changes in Age and Etiology. Neuroepidemiology, v. 44, p. 85-90. 2015.

BERLLY, M. SHEM, K. Respiratory Management During the First Five Days After Spinal Cord Injury. The Journal of Spinal Cord Medicine, v. 30, n. 4, p. 309-318. 2007.

BUEHELER, A.M.; CAVALCANTI, A. B.; SUZUMURA, E. A.; CARBALLO, M.T.; BERWANGER, O. Como avaliar criticamente um ensaio clínico de alocação aleatória em terapia intensiva. Revista Brasileira Terapia Intensiva, São Paulo, v. 21, n. 2, p. 219-225, 2009.

CAVENAGHI, S; et al. Aplicabilidade intra-hospitalar da cinesioterapia no trauma raquimedular. Arq Ciênc Saúde, n. 12, v. 4, p. 213-215. 2005.

CHAMBERLAIN, J.D. et al. Mortality and Longevity after a Spinal Cord Injury: Systematic Review and Meta-Analysis. Neuroepidemiology, v. 44, p. 182–198. 2015.

COUTINHO, E. S. F.; CUNHA, G. M. Conceitos básicos de epidemiologia e estatística para a leitura de ensaios clínicos controlados. Revista Brasileira Psiquiatria, v. 27, n. 2, p. 146-151, 2005.

CUSTODIO, N.R.O; et al. Lesão medular no Centro de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo (CRER- GO). COLUNA/COLUMNA, v. 8, n. 3, p. 265-268. 2009.

KIM, C.Y.; LEE, J.S.; KIM, H.D.; LEE, D.J. Short-term effects of respiratory muscle training combined with the abdominal drawing-in maneuver on the decreased pulmonar function of individuals with chronic spinal cord injury: A pilot randomized controlled trial. The Journal of Spinal Cord Medicine, v. 40, n. 1, p. 17-25. 2017.

LIAW, M.Y. et al. Resistive Inspiratory Muscle Training: Its Effectiveness in Patients With Acute Complete Cervical Cord Injury. Arch Phys Med Rehabil, v. 81, p. 752-756. 2000.

LITCHKE, L.G. et al. Effects of Respiratory Resistance Training With a Concurrent Flow Device on Wheelchair Athletes. The Journal of Spinal Cord Medicine, v. 31, n. 1, p. 65-71. 2008.

MARQUES, A. P.; PECCIN, M. S. Pesquisa em fisioterapia: a prática baseada em evidências e modelos de estudos. Fisioterapia e pesquisa, v. 11, n. 1, jan./abr. 2005.

MENDES, K. D. S.; SILVEIRA, R. C. C. P.; GALVÃO, C. M. Revisão integrativa:

método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, v.17, n. 4, p. 758-64, out. /dez. 2008.

MUELLER, G.; HOPMAN, M.T.E.; PERRET, C. Comparison of respiratory muscle training methods in individuals with motor and sensory complete tetraplegia: A randomized controlled trial. J. Rehabil. Med., v. 45, n. 248-253. 2013.

PEREIRA, A. L.; BACHION, M. M. Atualidades em revisão sistemática de literatura, critérios de força e grau de recomendação de evidência. Revista gaúcha enfermagem, v. 27, n. 4, p. 491-498, 2006.

PHYSIOTHERAPY EVIDENCE DATABASE. PEDro. 2015. Disponível em: http://www.pedro.org.au/&gt. Acesso em: 14 de set. 2015.

POSTMA, K. et al. Resistive Inspiratory Muscle Training in People With Spinal Cord Injury During Inpatient Rehabilitation: A Randomized Controlled Trial. Physical Therapy, v. 94, n. 12, n. 1709-1719. 2014.

ROTH, E.J. et al. Expiratory Muscle Training in Spinal Cord Injury: A randomized Controlled Trial. Arch Phys Med Rehabil, v. 91, n. 6, p. 857-61. 2010.

RUSSIAN, C; LITCHKE, L.; HUDSON, J. Concurrent respiratory resistance training and changes in respiratory muscle strength and sleep in an individual with spinal cord injury: case report. The Journal of Spinal Cord Medicine, v. 34, n. 2., p.251-254. 2011.

SAMPAIO, R.F.; MANCINI, M. C. Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Rev. bras. Fisioterapia, São Carlos, v. 11, n. 1, jan./fev. 2007.

SANTOS, C. M. C.; PIMENTA, C. A. M.; NOBRE, M. R. C. A estratégia pico

para a construção da pergunta de pesquisa e busca de evidências. Revista Latino-am. Enfermagem, v. 15, n. 3, mai./ jun. 2007.

SANTOS, I. S.; VICTORIA, C. G. Serviços de saúde: epidemiologia, pesquisa e avaliação. Cad. Saúde pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 2, p. 337-341, 2004.

SHIWA, S. R.; COSTA, L. O. P.; MOSER, A. D. L.; AGUIAR, I. C.; OLIVEIRA,

L. V. F. PEDro: a base de dados de evidências em fisioterapia. Fisioterapia movimento, Curitiba, v. 24, n. 3, p. 523-533, jul./set. 2011.

SILVA, A.; SERRÃO, P. R. M. S.; DRIUSSO, P.; MATTITELLO, S. M. Efeito de

exercícios terapêuticos no equilíbrio de mulheres com osteoartrite de joelho: uma revisão sistemática. Revista brasileira de Fisioterapia, São Carlos, v. 16, n. 1, p. 1-9, jan./fev. 2012.

SOARES, I.; CARNEIRO, A. V. A Análise de Intenção-de- Tratar em Ensaios

Clínicos: Princípios e Importância Prática. Revista Port. Cardiologia, v. 21, n. 10,

p.1191-1198, 2002.

SOARES, I.; CARNEIRO, A. V. Princípios de Análise Metodológica de Ensaios

Terapêuticos. Parte I: Validade dos Resultados. Revista Port. Cardiologia, v.

, n. 4, p. 457-469, 2002.

SOUZA, R. F. O que é um estudo clínico randomizado? Medicina, Ribeirão Preto, v. 42, n. 1, p. 3-8, 2009.

VÁZQUEZ, R.G. et al. Respiratory Management in the Patient with Spinal Cord Injury. BioMed Research International. 2013.

WEST, C.R.; TOLFREY, V.L.G.; CAMPBELL, I.G.; ROMER, L.M. Effect of abdominal binding on respiratory mechanics during exercise in athletes with cervical spinal cord injury.J. Appl. Physiol. v. 117, n. 1, p. 36–45. 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1677-1591 (versão impressa) e ISSN 1677-5716 (versão on-line).