ACIDENTES DE TRABALHO EM FRIGORÍFICOS

Naira Ingrid Lemos Santana, Gilmara Ribeiro Santos Rodrigues

Resumo


Acidentes de trabalho é um problema de saúde pública e gera consequências negativas
para o empregado, empregador e a previdência. Existem três tipos de acidentes: o
típico, o de trajeto e a doença de trabalho. Em frigoríficos pouco se sabe sobre a
epidemiologia dos acidentes. O abate e fabricação de produtos de carne abrange reses,
suínos e aves e exige do trabalhador movimentos repetitivos, com instrumentais que
aumentam o risco de acidentes. O objetivo deste trabalho é descrever o perfil
epidemiológico dos acidentes de trabalho ocorridos em frigoríficos no Brasil. Trata-se
de um estudo epidemiológico de corte transversal. A população de estudo foi constituída
pelos trabalhadores brasileiros que sofreram algum acidente enquanto trabalhavam e
tiveram os dados registrados na Previdência Social no período de 2007 a 2011. As
variáveis estudadas foram: registro da Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT)
(com CAT, sem CAT), motivo (típico, de trajeto ou doença do trabalho) e consequência
do acidente ocorrido (assistência médica, afastamento menor que 15 dias, afastamento
maior que 15 dias e incapacitação permanente e óbito). O número absoluto dos
acidentes, assim como o registro da CAT vem diminuindo. O acidente típico é o que mais
ocorre (85,95%) e o de trajeto vem aumentando. O afastamento das atividades é a
consequência de 80% dos acidentes. Não há diferenças muito significativas entre as
regiões do Brasil, sendo o Sul a região com 40% do total de acidentes.


Palavras-chave


Acidentes de trabalho. Epidemiologia. Matadouros.

Texto completo:

PDF

Referências


BARATA, R. de C. B.; RIBEIRO, M. C. S. de A.; MORAES, J. C. de. Acidentes de trabalho referidos por trabalhadores moradores em área urbana no interior do Estado de São Paulo em 1994. Informe Epidemiológico do SUS. Brasília, vol. 9, n. 3, p. 199-210; 2000. Disponível em: . Acesso em: 12 out. 2013.

BRASIL. Lei n. 8.213, de 24 de julho de 1991. Dispõe sobre a organização da seguridade social, institui plano de custeio e de outra providencias. Diário Oficial da União, Brasília-DF, 25 jul. 1991. Seção 1. Disponível em: . Acesso em: 12 out. 2012.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Indicadores Produção pecuária. Séries Estatísticas. Disponível em: . Acesso em: 05 out. 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde do Brasil. Organização Pan-Americana da Saúde no Brasil. Doenças relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos para os serviços de saúde. Brasília: Coordenação Saúde do Trabalhador, 2001;. Disponível em: . Acesso em: 05 out 2013.

_________. Ministério da Previdência Social. Ministério do Trabalho e Emprego. Anuário Estatístico de Acidentes do Trabalho 2009.Vol.1. Brasília: Ministério da Previdência Social, 2010. Disponível em: . Acesso em: 01 out. 2012.

_________. Ministério da previdência Social. Instituto Nacional do Seguro Social. Anuário estatístico da previdência social 2010. Vol. 1. Brasília: Ministério da Previdência Social; 2011. Disponível em: . Acesso em: 01 out. 2012.

_________. Ministério da Previdência Social. Instituto Nacional do Seguro Social. Anuário Estatístico da Previdência Social 2011. Vol.1. Brasília: Ministério da Previdência Social, 2012. Disponível em: . Acesso em: 05 set. 2013.

_________. Ministério do Trabalho e Emprego. Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho. Minuta de nota técnica:segurança e saúde nas atividades de processamento de carnes. Brasília, DF, 2004.

_________. Ministério do Trabalho. Portaria nº 3.214, de 08 de junho de 1978- Norma Regulamentadora 04. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 1978. Disponível em:

AD/NR-04%20(atualizada).pdf>. Acesso em: 05 out. 2013.

_________. Ministério do Trabalho. Portaria nº 3.214, de 08 de junho de 1978- Norma Regulamentadora 07. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 1978. Disponível em:

E0819FC102ED/nr_07.pdf>. Acesso em: 05 out. 2013.

_________. Ministério do Trabalho. Portaria nº 555, de 18 de abril de 2013- Norma Regulamentadora 36. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 2013. Disponível em:

E237DCD6635C2/NR-36%20(atualizada%202013).pdf>. Acesso em: 05 out. 2013.

CORDEIRO, R. et al.. Incidência de acidentes do trabalho não-fatais em localidade do Sudeste do Brasil. Caderno de Saúde Pública. Rio de Janeiro, vol. 22, n. 2, p. 387-393, fev. 2006. Disponível em: . Acesso em: 12

out. 2013.

CORREA, P. L.; ASSUNCAO, A. A Subnotificação de mortes por acidentes de trabalho: estudo de três bancos de dados. Epidemiologia e Serviços de Saúde. Brasília, vol. 12, n. 4, p. 203-212, Dez. 2003. Disponível:

arttext&pid=S1679-49742003000400004&lng=es&nrm=iso>. Acesso em: 12 out. 2013.

DEFANI, J. C. Avaliação do perfil antropométrico e análise inamométrica dos Trabalhadores da agroindústria do setor de frigoríficos e abatedouros: o caso da Perdigão –Carambeí. Ponta Grossa, 2007. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção, UTFPR, 2007.

Disponível em:

sertacao.pdf>. Acesso em: 10 set. 2013.

FERNADES, A. Z., CECHIN, J. Ocorrência de Acidentes de Trabalho conforme a GFIP. Informe da Previdência Social. Ministério da Previdência e Assistência Social, Brasília, v.14, n. 2, fev. 2002. Disponível em:

-104507-784.pdf>. Acesso em: 17 out 2012.

IGNACIO, S.A., Importância da estatística para o processo de conhecimento e tomada de decisão. Revista Paranaense de Desenvolvimento, Curitiba, n.118, p.175-192, jan./jun. 2010. Disponível em:

/article/view/89>. Acesso em: 19 out. 2012.

REIS, E. da S. Análise ergonômica do trabalho associada à cinesioterapia de pausa como medidas preventivas e terapêuticas às L.E.R./D.O.R.T. em um abatedouro de aves. Florianópolis, 2001. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) –Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção, UFSC, 2001. Disponível em:

https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/81832/186312.pdf?sequence=1>. Acesso em: 12 out. 2013.

ROUQUAYROL, M. Z.; ALMEIDA FILHO, N. de. Epidemiologia e saúde. 6.ed. Rio de Janeiro: MEDSI, 2003.

SANTANA, V. S. et al.. Mortalidade, anos potenciais de vida perdidos e incidência de acidentes de trabalho na Bahia, Brasil. Caderno de Saúde Pública. Rio de Janeiro, vol. 23, n.11, pp. 2643-2652, nov. 2007. Disponível em: . Acesso em: 12 out. 2012.

_________. Acidentes de trabalho: custos previdenciários e dias de trabalho perdidos. Revista de Saúde Pública. 2006, vol. 40, n. 6, pp. 1004-1012. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/rsp/v40n6/07.pdf>. Acesso em: 10 out. 2013.

SANTANA, V. S.; NOBRE, L.; WALDVOGEL, B. C. Acidentes de trabalho no Brasil entre 1994 e 2004: uma revisão. Ciências e saúde coletiva. Rio de Janeiro, vol.10, n. 4, p. 841-855, 2005. Disponível em: .

Acesso em: 12 out. 2012.

SARDA, S.E.; RUIZ, R. C. Tutela jurídica da saúde dos empregados de frigoríficos: considerações dos serviços públicos. Acta Fisiátrica, São Paulo, v. 16, n. 2. p. 59-65, 2009. Disponível em: .

Acesso em: 10 set. 2013.

SCHAEFER, L. S.; LOBO, B. de O. M.; KRISTENSEN, C. H. Transtorno de estresse pós-traumático decorrente de acidente de trabalho: implicações psicológicas, socioeconômicas e jurídicas. Estudos de psicologia. Natal, vol.17, n.2, p. 329-336, mai./aug. 2012. Disponível em: . Acesso em: 02 out. 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1677-1591 (versão impressa) e ISSN 1677-5716 (versão on-line).