O CONSUMO DE GLUTAMATO MONOSSÓDICO E SUA RELAÇÃO COM O DESENVOLVIMENTO DE SOBREPESO E OBESIDADE

Silvana Silva Gomes, Larissa A. S. Costa, Bruna Dallaqua

Resumo


O glutamato monossódico (MSG) é um aditivo alimentar amplamente utilizado em alimentos ultraprocessados. Entretanto, a segurança a respeito da ingestão do MSG como aditivo alimentar para a saúde humana tem sido motivo de controvérsias entre diversos estudos. Alguns trabalhos demonstraram que a administração via oral de MSG em ratos provocou neurotoxicidade e lesões no hipotálamo que resultaram em sobrepeso e obesidade. A partir da correlação positiva do MSG com o ganho excessivo de peso encontrado nos estudos experimentais, surgiu a preocupação de investigar se o consumo desse aditivo alimentar poderia provocar sobrepeso e obesidade também em humanos. Nesse sentido, este trabalho tem como objetivo compreender a relação entre o consumo do aditivo alimentar glutamato monossódico e o desenvolvimento do sobrepeso e obesidade em humanos. Este estudo trata-se de uma revisão integrativa da literatura, assim, foi realizada a busca nas bases PubMed e EBSCO, com a inclusão de artigos originais, publicados entre os anos de 2006 e 2016, na qual avaliaram a ingestão de glutamato monossódico em humanos adultos. A busca resultou num total de 4 artigos originais a serem incluídos nesta revisão sendo que, dois estudos concluíram que o MSG, de maneira isolada após ajustes estatísticos com outras variáveis incluídas, pode levar o indivíduo que o consome ao risco de ter excesso de peso e dois trabalhos não encontraram associação significativa entre sobrepeso e obesidade com a ingestão de glutamato monossódico. O MSG vem sendo passivamente consumido pela população mundial, causando implicações importantes para a compreensão de suas ações fisiológicas, especialmente sobre o peso corporal. Sendo assim, concluímos que, devido à escassez de trabalhos realizados em humanos e às controvérsias evidenciadas, novos estudos devem ser realizados para desmistificar consumo do MSG.


Palavras-chave


glutamato monossódico; sobrepeso; obesidade

Texto completo:

PDF

Referências


AUN, Marcelo V. et al. Aditivos em alimentos. Brasil: Revista Brasileira de Alergia e Imunopatologia, v. 34, n. 5, p. 177-185, 2011.

BELLISLE, France. Glutamate and the UMAMI taste: sensory, metabolic, nutritional and behavioural considerations. A review of the literature published in the last 10 years. Neuroscience & Biobehavioral Reviews, [S.l.], v. 23, n. 3, p.423-438, jan. 1999. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/s0149-7634(98)00043-8.

BEYREUTHER, K. et al. Consensus meeting: monosodium glutamate - an update. Germany: European Journal of Clinical Nutrition, p. 304–313, 2006.

BOONNATE, P; et al. Monosodium Glutamate Dietary Consumption Decreases Pancreatic β-Cell Mass in Adult Wistar Rats. PLoS ONE. 10, 6, 1-14, June 2015.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. VIGITEL Brasil 2014 [S. l.]: MS, 2014. 37 slides, color. Disponível em: . Acesso em: 05 nov. 2016.

BRASIL. Resolução - RDC n.1, de 2 de janeiro de 2001. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária aprova o regulamento técnico que aprova o uso de aditivos com a função de realçadores de sabor, estabelecendo seus limites máximos para os alimentos. Diário Oficial da União, Brasília, 4 jan. 2001. Seção 1, p.21.

BROSNAN, John T.; DREWNOWSKI, Adam; FRIEDMAN, Mark I. Is there a relationship between dietary MSG obesity in animals or humans? Amino Acids, [S.l.], v. 46, n. 9, p.2075-2087, 14 jun. 2014. Springer Nature. http://dx.doi.org/10.1007/s00726-014-1771-6.

COUTINHO, Walmir. Etiologia da obesidade. 2007. Disponível em: . Acesso em: 01 out. 2016.

DAMAK, S. et al. Detection of Sweet and Umami Taste in the Absence of Taste Receptor T1r3. Science, [S.l.], v. 301, n. 5634, p.850-853, 8 ago. 2003. American Association for the Advancement of Science (AAAS). http://dx.doi.org/10.1126/science.1087155.

FERREIRA, Fabrícia de Souza. Aditivos alimentares e suas reações adversas no consumo infantil. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 13, n. 1, p.397-407, 15 jul. 2015.

FERREIRA, Sandra Roberta G.. Alimentação, nutrição e saúde: avanços e conflitos da modernidade. Cienc. Cult. [online]. 2010, vol.62, n.4, pp. 31-33. ISSN 2317-6660. Disponível em: < http://cienciaecultura.bvs.br/pdf/cic/v62n4/a11v62n4.pdf> Acesso em: 01 nov. 2016

FRANCISCHI, Rachel Pamfilio Prado de. et al. Obesidade: atualização sobre sua etiologia, morbidade e tratamento. Rev. Nutr., Campinas, v. 1, n. 13, p.17-28, abr. 2000.

FREITAS, Thaís Fernanda P. de A. Imunodetecção do receptor metabotrópico mGluR8 no núcleo arqueado do hipotálamo de ratos Wistar e estudo dos efeitos, no receptor, resultantes da exposição oral sub-crônica ao glutamato monossódico. 2011. 98 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa em Ciência de Alimentos, Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Engenharia de Alimentos, Campinas, 2011.

GANI, Sharmila B. et al. A studies on monosodium l- glutamate toxicity in animal models- a review. International Journal Of Pharmaceutical, Chemical And Biological Sciences, Selangor, v. 8, n. 5, p.1257-1268, mar. 2013. Disponível em: . Acesso em: 05 nov. 2016.

GANONG, Lawrence H. Integrative reviews of nursing research. Res Nurs Health, [S.l.], v. 1, n. 10, p.1-11, fev. 1987.

HE, Ka. et al. Association of Monosodium Glutamate Intake With Overweight in Chinese Adults: The INTERMAP Study. Obesity, [S.l.], v. 16, n. 8, p.1875-1880, ago. 2008. Wiley-Blackwell. http://dx.doi.org/10.1038/oby.2008.274.

______. Consumption of monosodium glutamate in relation to incidence of overweight in Chinese adults: China Health and Nutrition Survey (CHNS). American Journal Of Clinical Nutrition, [S.l.], v. 93, n. 6, p.1328-1336, 6 abr. 2011. American Society for Nutrition. http://dx.doi.org/10.3945/ajcn.110.008870.

HERMAUSSEM, M. et al Obesity, voracity, and short stature: the impact of glutamate on the regulation of appetite. European Journal of Clinical Nutrition: 1-7, 2005.

HIEN, Vu Thi Thu. et al. Monosodium glutamate is not associated with overweight in Vietnamese adults. Public Health Nutrition, [S.l.], v. 16, n. 05, p.922-927, 16 ago. 2012. Cambridge University Press (CUP). http://dx.doi.org/10.1017/s1368980012003552.

LOUZADA, Maria Laura da C. et al. Ultra-processed foods and the nutritional dietary profile in Brazil. Revista de Saúde Pública, [S. l.], v. 49, p.00-00, 2015. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s0034-8910.2015049006132.

MACHO, L. et al. Late Effects of Postnatal Administration of Monosodium Glutamate on Insulin Action in Adult Rats. Physiol. Res., [S.l.], v. 48, n. 1, p.79-85, dez. 2000.

MALULY, Hellen Dea Barros. Avaliação de parâmetros bioquímicos e cardiovasculares em ratos Wistar diabéticos e não diabéticos alimentados com glutamato monossódico. 2011. 108 f. Tese (Doutorado) - Curso de Programa em Ciência de Alimentos, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2011.

MASIC, Una; YEOMANS, Martin R. Does monosodium glutamate interact with macronutrient composition to influence subsequent appetite? Physiol Behav, [S.l.], v. 9, n. 23, p.116-117, 27 maio 2013.

MONTEIRO, Carlos A.; CONDE, Wolney L.; POPKIN, Barry M. The burden of disease from undernutrition and overnutrition in countries undergoing rapid nutrition transition: a view from Brazil. American Journal Of Public Health. [S.l.], v. 94, n. 3, p.433-434, mar. 2004.

NEWMAN AJ, et al. The administration of monosodium L-glutamate to neonatal and pregnant rhesus monkeys. Toxicology. 1973; 1(3):197-204.

OMS. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Physical status: the use and interpretation of anthropometry. Geneva: WHO, 1995. Disponível em:

Acesso em: 07 nov. 2016.

PAHO. PAN AMERICAN HEALTH ORGANIZATION. Ultra-processed food and drink products in Latin America: trends, impact on obesity, policy implications. 2015. Disponível em: . Acesso em: 05 nov. 2016.

PINHEIRO, Anelise R. de O.; FREITAS, Sérgio F. T. de; CORSO, Arlete Catarina T. Uma abordagem epidemiológica da obesidade. Revista de Nutrição, Campinas, v. 4, n. 17, p.523-533, dez. 2004.

RAMANUJAM, Sadagopa V.M. et al. Riboflavin as an oral tracer for monitoring compliance in clinical research. National Institutes Of Health, [S.l.], p.1-13, abr. 2011. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3176727/pdf/nihms322332.pdf >

Acesso em: 07 nov. 2016.

REYES, Felix Guillermo Reyes. Umami y Glutamato: aspectos químicos, biológicos y tecnológicos. São Paulo: Plêiade, 2013. 645 p. ISBN 978-85-7651-228-8.

ROJAS-CASTAÑEDA, Julio César et al. Neonatal exposure to monosodium glutamate induces morphological alterations in suprachiasmatic nucleus of adult rat. International Journal Of Experimental Pathology, [S.l.], v. 97, n. 1, p.18-26, 21 jan. 2016. Wiley-Blackwell. http://dx.doi.org/10.1111/iep.12157.

SHI, Zumin et al. Monosodium glutamate is not associated with obesity or a greater prevalence of weight gain over 5 years: findings from the Jiangsu Nutrition Study of Chinese adults. British Journal Of Nutrition, [S.l.], v. 104, n. 03, p.457-463, 7 abr. 2010. Cambridge University Press (CUP). http://dx.doi.org/10.1017/s0007114510000760.

SOUZA, Fernando de et al . Efeito da vagotomia troncular em ratos injetados na fase neonatal com glutamato monossódico: estudo biométrico. Acta Cir. Bras., São Paulo, v. 16, n. 1, p. 32-45, mar. 2001.

SOUZA, Marcela T. de; SILVA, Michelly D. da; CARVALHO, Rachel de. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein, [S.l.], v. 1, n. 8, p.102-106, jan. 2010.

SWITZER, Boyd R. et al. Development of a urinary riboflavin adherence marker for a wheat bran fiber community intervention trial. Cancer Epidemiology, Biomarkers & Prevention, [S.l.], v. 6, n., p.439-442, jun. 1997.

TORDOFF, Michael G.; ALEMAN, Tiffany R.; MURPHY, Michelle C. No effects of monosodium glutamate consumption on the body weight or composition of adult rats and mice. Physiology & Behavior, [S.l.], v. 107, n. 3, p.338-345, out. 2012. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.physbeh.2012.07.006.

WHO. WORLD HEALTH ORGANIZATIONS. Appropriate body-mass index for Asian populations and its implications for policy and intervention strategies: WHO expert consultation. The Lancet , Volume 363 , Issue 9403 , 157 – 163. 2004. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2016.

WHO. WORLD HEALTH ORGANIZATIONS. BMI classification. 2004. Disponível em: < http://apps.who.int/bmi/index.jsp?introPage=intro_3.html> Acesso em: 05 nov. 2016.

WHO. WORLD HEALTH ORGANIZATIONS. Second international conference on nutrition. 2014. Disponível em: . Acesso em: 05 nov. 2016.

WHO. WORLD HEALTH ORGANIZATIONS. United Nations Decade of Action on Nutrition (2016– 2025). 2016. Disponível em: . Acesso em: 05 nov. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1677-1591 (versão impressa) e ISSN 1677-5716 (versão on-line).