INFLUÊNCIA DA HIDROGINÁSTICA NA DENSIDADE MINERAL ÓSSEA DE MULHERES COM OSTEOPENIA E/OU OSTEOPOROSE

Jonas Coriolano da Silva, Maria das Graças Wanderley de Sales Coriolano

Resumo


Parece haver consenso, na literatura, sobre o papel dos exercícios físicos com ação da gravidade no aumento e na preservação da densidade mineral óssea, entretanto, ainda não está claro se a hidroginástica apresenta influência sobre a densidade mineral óssea de mulheres menopausadas. Nesse sentido, essa pesquisa busca verificar a influência da hidroginástica na densidade mineral óssea de mulheres menopausadas com osteopenia/osteoporose. O Método será o estudo transversal, realizado com mulheres que já praticavam hidroginástica há pelo menos 1 ano (grupo hidro) e mulheres que não praticavam nenhum tipo de exercício (grupo sedentário). Os valores das densitometrias ósseas de L1-L4, colo, peso, altura, IMC e idade foram coletados. Foram excluídas as mulheres que apresentaram outras doenças ou em uso de medicação que afetassem o metabolismo ósseo e aquelas que relataram prática de exercícios na adolescência e vida adulta. O grupo hidro realizou hidroginástica com água ao nível da mama. Os exercícios eram divididos em 4 etapas (aquecimento, exercícios localizados, exercícios dinâmicos e relaxamento). Foi realizado teste T no programa SPSS 20.0 (p<0,05).  A amostra foi composta por 48 mulheres, sendo 28 no grupo hidro com média de idade de 69±6,5 anos; média de peso 68,7±10,9 Kg; média da altura de 154,1±5,6 cm e média de IMC de 28,8 Kg/m2. No grupo comparação (n=20) com média de idade de 70±9,1 anos, média de peso 59,4±6,2 Kg; média da altura de 151,8±6,6 cm e média de IMC de 25,8 Kg/m2. O valor de massa óssea em todas as áreas foi significativamente maior no grupo hidro, com maior diferença entre as médias para L1-L4 e colo respectivamente.  No nosso estudo foi observado que a densidade mineral óssea de um grupo praticante de hidroginástica foi significativamente maior na coluna lombar e fêmur proximal em relação a um grupo sedentário.


Palavras-chave


Menopausa. Osteoporose. Exercício. Hidroginástica.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAHIM, O. et al. Natação e ciclismo não causam efeitos positivos na densidade mineral óssea: uma revisão sistemática. Ver. Bras. Reumatol. V. 56, n. 4, p. 345–351, 2016. Disponível em: . Acesso em: 01 jun. 2017.

ALBALA, C. et al. Obesity as a protective factor for postmenopausal osteoporosis. Int. J. Obes. Relat. Metab. Disord. v.20, n. 11, p. 1027-32, 1996.

BALSAMO, S. et al. Treinamento de força versus hidroginástica: uma análise transversal comparativa da densidade mineral óssea em mulheres na pós-menopausa. Rev. Bras. Reumatol., v. 53, n. 2, p.193–198, 2013. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0482-50042013000200006>. Acesso em: 09 mar. 2015.

BANDEIRA, F.; CARVALHO, E. F. Prevalência de osteoporose e fraturas vertebrais em mulheres na pósmenopausa atendidas em serviços de referência. Rev. Bras. Epidemiol., v. 10, n. 1, p. 86-9, 2007. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2015.

BORBA-PINHEIRO, C, J. et al. Bone density, balance and quality of life of postmenopausal women taking alendronate participating in different physical activity program. Therapeutic Advances in Musculoskeletal Disease, v. 2, n. 4, p. 175-185, 2010.

BRANDÃO, C. M. A. et al. Posições oficiais 2008 da Sociedade Brasileira de Densitometria Clínica (SBDens). Arq. Bras. Endocrinol. Metab., São Paulo, v. 53, n. 1, 2009. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27302009000100016>. Acesso em: 11 maio 2015.

BRANDÃO, C. M. R. et al. Gastos públicos com medicamentos para o tratamento da osteoporose na pós-menopausa. Rev. Saúde Pública. v. 47, n. 2, p. 390-402, 2013. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102013000200390>. Acesso em: 11 maio 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria N. 451, de 9 de junho de 2014. Aprova o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da Osteoporose. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 10 de junho de 2014, Seção1, p. 45-49. Disponível em: . Acesso em: 31 out. 2015.

CLARK, P. et al. The prevalence of vertebral fractures in Latin American countries: The Latin-American Vertebral Osteoporosis Study (LAVOS). Osteoporos. Int., v. 20, n. 2, p. 275–82, 2009.

CUBAS, E.R. et al. Principais causas de diminuição da massa óssea em mulheres na pré-menopausa encaminhadas ao ambulatório de doenças ósteo-metabólicas de um hospital terciário de Curitiba. Arq. Bras. Endocrinol. Metab., v. 50, n. 5, p. 914-919, 2006. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27302006000500013>. Acesso em: 10 maio 2015.

FERNANDES, C.E. et al. Climatério Manual de Orientação da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia- FEBRASGO. 1th ed. São Paulo: Ponto; 2004.

GALI, J. C. Osteoporose. Acta ortop. bras. São Paulo, v. 9, n. 2, p. 3-12, 2001. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-78522001000200007>. Acesso em: 11 maio 2015.

HARRIS, S.; DALLAL, G. E.; DOWSON-HUGHES, B. Influence of body weight on rates of change in bone density of the spine, hip and radius in postmenopausal women. Calcif. Tissue Int., v. 50, n. 1, p. 19-23, 1992.

KANIS, J.A. Diagnosis of osteoporosis and assessment of fracture risk. Lancet. n. 359, p.1929-1936, 2002.

KERR, D. et al. Exercise effects on bone mass in postmenopausal women are site-specific and load-dedpendent. J. Bone Miner. Res. v.11, n. 2, p. 218-225, 1996.

KOMATSU, R. S.; RAMOS, L. R.; SZEJNFELD, V. L. Incidence of proximal femur fractures in Marilia. J. Nutr. Health Aging. v. 8, n. 5, p.362–7, 2004.

MOREIRA, L. D. F. et al. The benefits of a high-intensity aquatic exercise program for bone metabolism and bone mass postmenopausal women. J. Bone Miner. Metab. v. 32, n. 4, p. 411-419, 2014.

MURTEZANI, A. et al. The effect of land versus aquatic exercise program on bone mineral density and physical function in postmenopausal women with osteoporosis: a randomized controlled trial. Ortop. Traumatol. Rehabil. v. 3, n. 6, p. 319-325, 2014.

PERNAMBUCO, C. S. et al. Functional autonomy, bone mineral density and serum osteocalcin levels in older female participants of an aquatic exercise program. Arch. Gerontol. Geriatr. v. 56, n. 3, p. 466–471, 2013.

PINHEIRO, M. M. et al. O impacto da osteoporose no Brasil: dados regionais das fraturas em homens e mulheres adultos – The Brazilian Osteoporosis Study (BRAZOS). Rev. Bras. Reumatol. São Paulo, v. 50, n. 2, p. 113-27, 2010.

PINHEIRO, M. M. et al. Development and validation of a tool for identifying women with low bone mineral density and low-impact fractures: the São Paulo Osteoporosis Risk Index (SAPORI). Osteoporos. Int. v. 23, n. 4, p. 1371–1379, 2012.

ROTSTEIN, A.; HARUSH, M.; VAISMAN, N. The effect a water exercise program on bone density of postmenopausal women. J. Sport Med. Phys. Fitness. v. 48, n. 3, p. 352-359, 2008.

SILVA, A. C. V. et al. Fatores associados à osteopenia e osteoporose em mulheres submetidas à densitometria óssea. Rev. Bras. Reumatol. V. 55, n. 3, p. 223–228, 2015.

SILVA, C.F.F, et al. Determinantes da densidade mineral óssea na pós-menopausa. Medicina. [online]. Ribeirão Preto, v. 49, n. 1, p. 26-34, 2016.

SILVA, H. G. V. et al. Influence of Obesity on Bone Density in Postmenopausal Women. Arq Bras Endocrinol Metab. São Paulo, v. 51, n. 6, p. 943-949, 2007. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27302007000600008>. Acesso em: 10 maio 2015.

VANAKY, B.; SADEGHI, H.; RAMEZANI, N. The effect of 12 weekes weight bearing water training on the bone density of middle age sedentary women. Biosciences Biotechnology Research Asia. V. 11, n. 2, p. 931-936, 2014. Disponível em: < https://www.researchgate.net/publication/274140241_The_Effect_of_12_Weekes_Weight_Bearing_Water_Training_on_the_Bone_Density_of_Middle_Age_Sedentary_Women>. Acesso em: 10 maio 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1677-1591 (versão impressa) e ISSN 1677-5716 (versão on-line).