PROPOSTA DE PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA ESCOLA MUNICIPAL JAIRO AZI - OURIÇANGAS - BA

Jussilene da Paixão, José Rembrandt Fontes de Aquino

Resumo


A geração de resíduos sólidos é uma consequência natural da vida humana na terra, todas as interações com o meio ambiente geram resíduos, principalmente no que diz respeito à produção de alimentos e outros produtos para consumo. Os locais para disposição desse material nem sempre são corretos, prejudicando o meio ambiente e desencadeando diversos problemas sociais.  É notório que parte da população não colabora com as questões ambientais devido à falta de informação que tem sobre o assunto. A elaboração da proposta de Plano de Gerenciamento dos Resíduos Sólidos (PGRS), visa levar para alunos e colaboradores da Escola Municipal Jairo Azi, mais informação com relação às questões ambientais, principalmente no manejo dos resíduos sólidos, partindo da necessidade de mudança de hábitos da comunidade escolar e ações de conscientização promovidas através de programas de educação ambiental e outras ferramentas,  além de trazer para a escola um diferencial frente à comunidade e às outras instituições. A metodologia utilizada neste trabalho inclui a pesquisa bibliográfica e levantamento de dados da instituição através de visitas e aplicação de questionários para funcionários e alunos. Com base nos estudos realizados, foi possível perceber a resistência que ainda existe quando se trata de assuntos relacionados ao resíduo, a dificuldade de modificar os pensamentos relacionados aos resíduos e inserir a educação ambiental no contexto escolar, o que fortalece nos alunos a visão de que o resíduo é algo ruim, não considerando nem conhecendo todas as oportunidades, vantagens e benefícios que os resíduos quando gerenciados de forma correta podem trazer.


Palavras-chave


Resíduos. Gerenciamento. Conscientização. Educação Ambiental.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. NBR 10004. Resíduos sólidos – Classificação. Rio de Janeiro, RJ, 2004, p. 71.

¬______. NBR 10006. Procedimento para obtenção de extrato solubilizado de resíduos sólidos. Rio de Janeiro, RJ, 2004, p. 3.

______. NBR 10007. Amostragem de resíduos sólidos. Rio de Janeiro, RJ, 2004, p. 21.

______. NBR 13591. Compostagem. Rio de Janeiro, RJ, 1996, p. 4.

______. NBR 11174. Armazenamento de resíduos classes II - não inertes e III – inertes. Rio de Janeiro, RJ, 1990, p. 5.

BAHIA. Prefeitura Municipal de Ouriçangas. Plano Plurianual 2014-2017. Lei n. 013 de 20 de dezembro de 2013. Imprensa Oficial Eletrônica, Ouriçangas – BA, n. 211, de 30 dez. 2013.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental. Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos: Instrumento de Responsabilidade Socioambiental na Administração Pública Brasília, DF, 2014. Disponível em: . Acesso em: 19 jun. 2016.

______. Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano. Guia para elaboração dos Planos de Gestão de Resíduos Sólidos. Brasília, DF. 2011. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2016.

______. Secretaria Especial de Desenvolvimento urbano da Presidência da República. Gestão Integrada de Resíduos Sólidos. Manual de gerenciamento Integrado de resíduos sólidos. José Henrique Penido Monteiro [et al.]; coordenação técnica Victor Zular Zveibil. Rio de Janeiro: IBAM, 2001. Disponível em: . Acesso em: 04 jun. 2016.

______. Lei N. 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 28 de abril de 1999. Disponível em: . Acesso em: 19 jun. 2016.

______. Lei Federal N. 12.305 de 02 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 3 de agosto de 2010. Disponível em: . Acesso em: 19 jun. 2016.

______. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 5 de outubro de 1988. Disponível em: . Acesso em: 19 jun. 2016.

______. Ministério do Meio Ambiente – MMA. Projeto Sala Verde. 2017. Disponível em:

. Acesso em: 19 jun. 2016.

COMPROMISSO EMPRESARIAL PARA RECICLAGEM - CEMPRE. Programa Bio Consciência. Lixo municipal – A Busca do Desenvolvimento Sustentável. 2016. Disponível em: < http://www.cempre.org.br/>. Acesso em: 22 jul. 2016.

CIDADE-BRASIL. Ouriçangas. (s.d.). Disponível em: . Acesso em: 16 jan. 2017.

CONSELHO NACIONAL DE MEIO AMBIENTE - CONAMA. Resolução N. 275, de 25 de abril de 2001. Diário Oficial da União, Brasília, DF, N. 117-e, 19 de junho de 2001, seção 1, p. 80.

ECYCLE. Você sabe a diferença entre resíduo e rejeito? 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2016.

GONÇALVES, Pólita. A Reciclagem Integradora dos Aspectos Ambientais, Sociais e Econômico. Rio de Janeiro: DP&A, Fase, 2003. 184p.

GOOGLE MAPS. Mapa de Localização da Cidade de Ouriçangas. 2016. Disponível em: . Acesso em: 04 jan. 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Bahia: Ouriçangas. 2016. Disponível em: < http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=292330 >. Acesso em: 04 jan. 2016.

MIRANDA, J. C. A coleta seletiva e reciclagem de lixo na escola: uma atividade prática. A coleta seletiva e reciclagem de lixo na escola: uma atividade prática. In: VIII ENCONTRO PERSPECTIVAS DO ENSINO DE BIOLOGIA, 6, 2002, São Paulo. Anais... São Paulo: FEUSP, 2002. 1 CD-ROM.

MOTA, José Carlos et al. Características e impactos ambientais causados pelos resíduos sólidos: uma visão conceitual. Revista Águas Subterrâneas. São Paulo, Suplemento – I Congresso Internacional de Meio Ambiente Subterrâneo, 2009. Disponível em: < https://aguassubterraneas.abas.org/asubterraneas/article/view/21942>. Acesso em: 04 jun. 2016.

PINHEIRO, Antonio Carlos. O Espaço Urbano e a Questão Ambiental. Revista Paranaense de Geografia. Curitiba, n. 03, p. 58-69, 1998.

PORTAL EDUCAÇÃO. Educação Ambiental e Resíduos Sólidos na Escola. 2015. Disponível em: . Acesso em: 18 jun. 2016.

RÊGO, R. C. F. et al. O que é lixo afinal? Como pensam mulheres residentes na periferia de um grande centro urbano. Cadernos de Saúde Pública. v. 18, n. 6, p. 1583-1592, 2002.

SANTOS, Helaine; FEHR, Manfred. Educação Ambiental e Resíduos Sólidos em Araguari/MG. Revista Caminhos de Geografia. Uberlândia, v. 8, n. 24, p. 163-183, 2007. Disponível em: . Acesso em: 04 jun. 2016.

SCHALCH, Valdir et al. Gestão e gerenciamento de resíduos sólidos. 2002. 97 f. Tese (Doutorado) - Departamento de Hidráulica e Saneamento, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2002. Disponível em: . Acesso em: 04 jun. 2016.

STANGHERLIN, Caren Cristiane de Castro; SPECHT, Suzimary. Resíduos sólidos: percepção dos alunos do ensino fundamental. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental – REGET; Revista do Centro do Ciências Naturais e Exatas - UFSM. Santa Maria, SC, v. 18, n. 2, p. 919-927, 2014.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. A ONU e o meio ambiente. 2016. Disponível em: . Acesso em: 13 dez. 2016.

VITORINO, Kelma Maria Nobre; SOUZA, Célia Virgínia Alves de; PEIXINHO SOBRINHO, Pedro. Resíduos sólidos de uma escola-quantificação, caracterização e soluções. In: XXVII CONGRESO INTERAMERICANO DE INGENIERIA SANITARIA Y AMBIENTAL, 27, 2000, Rio Grande do Sul. Anais... Rio Grande do Sul: ABES, 2000, p. 1-5. Disponível em: . Acesso em: 04 jun. 2016.

WAGNER, Dirce Maria Koury. Educação Ambiental para o cidadão. In: RECICLAGEM DO LIXO URBANO PARA FINS INDUSTRIAIS E AGRÍCOLAS, 1998. Belém, PA. Anais... Belém: Empraba Amazônia Oriental/SECTAM/Prefeitura Municipal de Belém, 2000, p 157-164. Disponível em: . Acesso em: 04 jun. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1677-1591 (versão impressa) e ISSN 1677-5716 (versão on-line).